Ordem dos Psicólogos

Certificação APCER

Psicologia em contexto escolar

OPP lança campanha “Escola SaudávelMente

02.Fevereiro.2017

Novo projecto da OPP tem como objectivo alertar o Governo e outras entidades decisoras para a necessidade da existência de, pelo menos, mais 500 psicólogos nas escolas. Esta campanha prevê ainda o reconhecimento e divulgação de boas práticas dos Agrupamentos de Escolar e Escolas Não Agrupadas, públicas, cooperativas ou privadas na promoção da saúde psicológica dos seus alunos. Para tal disponibiliza-se um formulário de candidatura (modelo check-list), bem como um manual de boas práticas com um conjunto de itens que, além de permitirem a avaliação e posterior reconhecimento, funciona ainda como roteiro para Agrupamentos de Escolas ou Escolas que pretendem promover projectos e acções neste âmbito.

Neste contexto, recorde-se que número de psicólogos por educando é hoje de 1 profissional por aproximadamente 1.700 alunos, sendo que o valor recomendado é de 1 por 1.000. Em Portugal foi estipulada como meta atingir, no ensino público, 1 psicólogo por 1.100 alunos. Dada esta assimetria, é criado o Projecto Escola SaudávelMente (www.escolasaudavelmente.pt), que pretende promover uma relação saudável entre todos os elementos da rede e do ambiente escolar, uma "escola saudável".

A Ordem dos Psicólogos alerta, se tivermos em conta que a última contratação oficial destes profissionais foi feita em 1999 e que hoje em dia desses profissionais restam menos de 300, verificamos que os psicólogos têm contratos a termo e que são sujeitos a concursos anuais, sendo substituídos por outros técnicos como Assistentes Sociais ou Professores Extracurriculares, profissionais que não substituem os Psicólogos. Este problema ganha contornos mais assertivos se, por exemplo, tivermos em conta que uma reprovação tem um custo de 4.000 €, ao ano para o estado e para os contribuintes. Neste contexto, refira-se, por exemplo, que em 2015, registaram-se cerca de 120 mil reprovações, o que resultou num custo directo de aproximadamente 500 milhões de euros. Paralelamente, um aluno que reprove aumenta em aproximadamente 300% a probabilidade de reprovar e a ter outro tipo de problemas no futuro e que poderá acarretar custos directos e indirectos noutros sistemas, como a justiça e saúde.

A Ordem lembra ainda que a preparação do ano letivo em muito agrupamentos de escolas é feita sem Psicólogos, uma vez que os contratos destes terminam em Julho e só são colocados nas escolas do ano letivo seguinte em média em Outubro ou Novembro. Por sua vez, o facto de as ligações contratuais às escolas serem anuais prejudica o trabalho do psicólogo e potencia os problemas dos alunos, que necessitam do apoio dos mesmos. O facto da ligação do psicólogo ser cortada todos os anos, aumenta ainda o factor de perturbação e inquietação do educando.