Ordem dos Psicólogos

Certificação APCER

Artigo de opinião de Cristina Quadros, Presidente da DRC

Dia Internacional da Pessoa Idosa

03.Outubro.2018

Clique em "Ler Mais" para aceder ao texto.

Dois milhões de portugueses celebram hoje o seu dia. Um quinto de nós tem mais de 65 anos. Este numero promete aumentar nas próximas décadas, com o aumento da esperança média de vida, a diminuição da natalidade e a emigração dos jovens portugueses.

Muitos destes idosos - leia-se pessoas cheias de idade - não necessitarão de atenção particular. Estarão a trabalhar com salário adequado ou estarão reformados, a participar ativamente na vida da comunidade e a ser apoio dos filhos e netos.

Mas muitos mais estarão sozinhos, com pensões miseráveis. Estarão doentes e/ ou dependentes. Muitos estarão privados do direito de tomar decisões sobre a sua própria vida.
As Nações Unidas escolheram como tema para este 1 de outubro de 2018 "Celebrating Older Human Rights Champions", num convite a celebrarmos os que, agora idosos, dedicaram a sua vida à luta pelos direitos humanos.

Em Portugal, é clara a necessidade de fazermos muitíssimo mais para garantir aos mais velhos um ambiente saudável e seguro, bem como cuidados de saúde física e psicológica, nunca abdicando de promover e facilitar a sua participação continua na vida social, económica, cultural, espiritual e cívica.É também clara a oportunidade para, neste dia e em Portugal, celebrarmos e enaltecermos os agora idosos que de forma persistente e heroica, lutaram contra a ditadura para nos permitir viver hoje em liberdade. Celebrar e enaltecer os agora idosos que criaram e que continuam hoje em associações e coletividades, em clubes de serviço, em projetos de voluntariado. E seguir o seu exemplo.É dia de ouvir as histórias destes heróis que vivem na nossa casa, na nossa rua, na nossa cidade. Dia de convidar estes heróis a ir às salas de aula dar lições de História que se tornarão inesquecíveis. Dia de juntar crianças e idosos que convivem num mesmo edifício sem nunca se cruzarem. Dia de lhes (e nos) dar tempo e atenção. E de fazer de cada dia, um dia assim.

Sabemos que vamos viver mais. Saibamos viver melhor, independentemente de mais ou menos cheios de idade.